Médico que relatou ataques de familiares de pacientes pega Covid-19 em Ribeirão Preto, SP

O infectologista Lucas Agra, de 34 anos, está internado há sete dias e é mantido no oxigênio, diz noiva.

Em junho, ele narrou situações hostis enfrentadas dentro do hospital.

Parentes de vítimas da Covid-19 fazem alerta sobre importância do distanciamento social Supervisor da Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-UE) de Ribeirão Preto (SP), o infectologista Lucas Agra contraiu o novo coronavírus, segundo a noiva dele, a médica residente Gabriela Bassan Petry.

Em junho, o médico relatou ataques de familiares de pacientes infectados, que não acreditavam na doença.

De acordo com Gabriela, Agra está internado há uma semana e recebe cuidados dos colegas de profissão.

Ele começou a apresentar sintomas da Covid-19 no fim de junho.

Após o diagnóstico, o quadro de saúde piorou e ele tem sido mantido no oxigênio. O médico, que estava na linha de frente de combate à pandemia desde os primeiros casos na cidade, tem 34 anos e não tem histórico de outras doenças.

“Apesar das probabilidades e das estatísticas, nós não conseguimos saber quem irá desenvolver sintomas leves ou quem precisará ser internado”, alerta Gabriela. O médico Lucas Agra, supervisor da unidade de emergência do HC em Ribeirão Preto, SP Reprodução/Skype No fim do mês passado, Agra contou que enfrentou situações difíceis na rotina do hospital, principalmente de casos ligados aos familiares de pacientes que ignoravam a gravidade da pandemia.

“A gente diagnostica alguém com coronavírus, coloca em isolamento, estabelece os tratamentos adequados e respaldados por evidência científica, e as pessoas confrontam esse diagnóstico, dizem para a gente que não existe, que elas não acreditam, que elas vão entrar no hospital, que elas vão arrombar a porta, que elas vão trazer um político, um vereador que elas conheçam para provar que nós estamos errados, que não existe isso.” Nesta semana, Agra completa 35 anos.

Emocionada ao falar do noivo, Gabriela pede à população para que siga as orientações das autoridades de saúde e evitem a infecção.

“Saiam de casa somente se for necessário, evitem aglomerações e usem a máscara.

Sigam todas as recomendações de isolamento social e não queiram, nem por um minuto, sentir o que sente o paciente e os familiares de quem está com essa doença.” Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca
Categoria:SP - Ribeirão Preto e Franca